Postado em 14 de Maio às 09h35

Chá sim, muito quente não

Dicas (19)

Cada chá/infusão possui sua temperatura ideal de preparo para que possamos conseguir extrair o melhor sabor dele. O chá branco, por exemplo, entre 75 a 85ºC, o chá verde entre 60 a 80ºC e o chá preto entre 80 e 95ºC.

Mas se você não tiver um termômetro ou uma chaleira elétrica com termostato que regule a temperatura, não tem problema. Uma dica bem bacana e simples é observar o ponto de ebulição da água, ficando de olho nas bolhas que se formam na água que você está esquentando.

Chá Verde Cada chá/infusão possui sua temperatura ideal de preparo para que possamos conseguir extrair o melhor sabor dele. O chá branco, por exemplo, entre 75 a 85ºC, o chá verde entre 60 a 80ºC e o...

Mas na hora de consumir a bebida é recomendado que ela não esteja muito quente (a 65 graus Celsius ou mais), pois segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), consumir bebidas mais quentes do que isso pode prejudicar a saúde.

Fonte: Diário do Chá


Postado em 16 de Abril às 08h52

A história do Chá Verde

A origem da Camellia Sinensis:

A planta do chá Camellia Sinensis, a origem de todas as variedades de chá, especialmente do chá verde, existe nas variedades Sinensis e Assamica. O nome da pequena planta, variedade Sinensis, remete para o seu local de origem e para o arbusto chinês do mesmo nome.

A denominação Assamica provém do seu habitat natural, Assam, na Índia. O chá verde de mais alta qualidade é da variedade Sinensis. Cientificamente, não está provado se a Camellia Sinensis é originária da China ou da Índia. No entanto, conjecturas e provas circunstanciais sugerem uma origem botânica do sul da província chinesa de Yunnan.

História do chá na China:

A história do chá verde começou há cerca 5.000 anos na China.Segundo a lenda, ele foi descoberto e reverenciado pelo imperador Shennong (2.737 v. Chr.). Originalmente ele foi tratado como uma planta e árvore de chá selvagem, cultivada principalmente nas regiões montanhosas do sul da China.

Ao se observar os seus poderes desintoxicante, refrescante e revigorante, mas também as suas outras grandes habilidades de cura, se levou a sua utilização para os monges budistas e a classe alta chinesa. O desenvolvimento e disseminação do chá estava intimamente ligado a questões e problemas de produção e durabilidade.

A partir do quarto e quinto século na China, o chá começou a ser preparado de uma forma muito diferente da que é habitual nos dias de hoje. Após a colheita, as folhas da Camelia Sinensis eram umedecidas, esmagadas num almofariz e apertadas num bolo de chá (também conhecidos como tijolos de chá). A ele se acrescentavam uma variedade de outros ingredientes, como arroz, gengibre, sal, cascas de laranja, cebola, e se cozia o preparado (vgl. 1, S. 26).

Durante a dinastia Tang (618 – 907 n. Chr.) esta era a forma de preparação mais comum. Mas é também a utilização de envelopes com folhas de chá esmagado, especialmente recomendados para as dores reumáticas. Durante esta época começou a primeira grande distribuição de chá.

Fermentação do chá desde a dinastia Ming (infusão):

No século XIII essa conquista foi amplamente interrompida pela invasão e o domínio mongol na China e até mesmo quase inteiramente eliminada. Os mongóis estavam acostumados a beber chás ásperos e oxidados e tinha pouco sentido para eles a cultura do chá da dinastia Song. O legado dos mongóis teve um efeito duradouro a este respeito. A preparação do chá em pó não foi revivido em séculos posteriores e tem na China de hoje – ao contrário do Japão – infelizmente, apenas um papel subordinado.

Na dinastia Ming (1368-1644 dC) surgiu finalmente formulação atual de derramar cerveja ou folhas de chá secas, assim como os métodos desenvolvidos para a secagem e impedir a oxidação numa base mais ampla. A cultura do chá verde estava associada a esta época e muito estreitamente com a história chinesa. Não foi até o século XVI, com o requinte da cerimônia do chá e, a partir do século XVIII, em seguida, com o desenvolvimento de novos processos de fabricação, que o Japão teve um impulso decisivo para o desenvolvimento da cultura do chá verde e que levou ao cultivo e ao processamento de chá. Para a preparação do chá foram também desenvolvidos utensílios nunca criados, atuais até aos dias de hoje.

O chá verde no Japão:

O chá verde foi para o Japão pela primeira vez no século VIII, como resultado de contatos budistas da China para o Japão. Isso se tornou possível devido ás viagens de monges budistas e monges japoneses que retornaram para o seu país após estudarem na China. O budismo e as propriedades especiais do chá verde desempenham hoje um papel importante.

Os monges usaram o chá para se manterem acordados e suas propriedades propriedades melhoravam a concentração em longas meditações de promoção da saúde. Além disso, que influiu na passagem do tempo, e na filosofia do budismo zen, no „caminho do chá“. Os mestres do chá acompanham toda a cultura do chá desde a sua criação. No Japão o chá verde é muito mais do que uma bebida saborosa e saudável.

Cerimónias do chá e Sen no-Rikyu:

Primeiro, o chá verde esteve presente no Japão apenas nos círculos sociais mais altos e se popularizou apenas para ser usado como medicamento ou por suas propriedades curativas. Isso começou a mudar lentamente desde o século XVI. Sem a influência do impedimento cultural dos mongóis, como na China, o país de origem do chá verde, a partir do século XIII o chá desenvolvido no Japão se tornou um pilar importante na vida cotidiana e cultural. Uma parte importante desse processo tem a influência de Sen no Rikyu (1522-1591), como um dos principais fundadores da arte da cerimônia do chá.

O chá verde do „caminho do chá“ – o chá em pó Matcha – torna-se mais uma filosofia de vida do que apenas uma bebida saborosa e saudável, intimamente ligada com as idéias do budismo zen e refinado ao máximo. O chá, a sua preparação, os utensílios, a casa de chá tradicional e o seu jardim são o símbolo do caminho para a perfeição metafísica.

Muitos outros movimentos culturais e artísticos inspiraram e influenciaram o grande mestre do chá no Japão, provavelmente mais do que qualquer outra disciplina durante séculos. Em particular, os produtos de pintura de cerâmica, poesia e filosofia beneficiaram desta influência.

História do chá verde na Europa:

As primeiras referências sobre a existência de chá encontradas na Europa estão mencionadas em escritos de viajantes árabes. Além do sal, o chá era uma importante mercadoria depois de 879 DC (ver Fig. 1, p.16). Mesmo nos escritos de Marco Polo se referia a perda de poder de um ministro das finanças chinês em 1285, após um aumento arbitrário do imposto sobre o chá (ver 1, p. 16).

De particular relevância na divulgação mundial do chá verde chinês é o almirante Zheng He, que no século XV o popularizou com uma enorme frota de comércio e proteção (até 30.000 homens) em grandes expedições à África e Ásia, numa uma vasta rede de comércio. Um dos itens mais importantes de comércio foi o cobiçado chá verde chinês.

Além das grandes navegações e redes demonstrado nestes continentes historiadores também suspeitam que Zheng He mesmo empreendeu expedições á América do Norte e Sul.

Perto do final do século vieram os comerciantes holandeses eventualmente propagando mensagens sobre o consumo de chá em casa. Mas para a Europa o chá chegou apenas em 1610 pela Companhia das Índias Orientais com um monopólio europeu sobre o comércio com a Ásia.

O chá era popular nas classes superiores e também em farmácias como planta medicinal. Os preços para o chá tornaram-se inacessíveis para as pessoas comuns durante um longo período, por isso, eram utilizados principalmente pela nobreza e ricos comerciantes.

No entanto, no século XVIII, apesar desses obstáculos, o chá se espalhou rapidamente por toda a Europa e as casas de chá encheram as cidades do país.

Até ao século XIX a Europa consumia unicamente chá verde. A importação de chá preto foi feita pelos britânicos e aumentou a sua batalha comercial com a China. Na Índia, aumentou a produção do chá verde Camellia Sinensis variedade Assamica.

O chá verde na Índia:

Em 1823 o major escocês Robert Bruce descobriu o chá verde na região indiana de Assam (variedade Assâmica) na Índia, encontrado crescendo selvagem. Até á época pensava-se que a Camellia Sinensis crescia apenas na China. Nesta altura a exportação de chá entrou em competição com a China pelo mercado de Inglaterra.

A oxidação da variedade Assâmica faz o chá mais palatável, já que as substâncias amargas são convertidas em aromas. Devido à sua cor foi chamado de chá preto. Este perde benefícios para a saúde pela sua oxidação.

Referências:
1 Okakura, Kakuzo: Das Buch vom Tee, übertragen von Horst Hammitzsch, insel taschenbuch, 1. Aufl. 1979.

Autor: Dr. Jörg Schweikart

Fonte: Chá verde e saude


Postado em 26 de Março às 16h44

Antirressaca: chá verde ajuda a eliminar toxinas mais rapidamente

Benefício (49)

Se você exagerou, bebeu demais, comeu alimentos que não lhe fizeram bem e ficou na maior ressaca, saiba que uma alimentação desintoxicante pode ajudar a diminuir o mal-estar e amenizar o estrago.

Para que o organismo se recupere de tanta agressão, é importante haver nos dias seguintes um repouso e uma alimentação adequada à base de alimentos e bebidas leves.

O processo de desintoxicação envolve a retirada de alimentos industrializados do cardápio, além de alimentos refinados, ricos em sal, cafeína, açúcares e aqueles providos de aditivos alimentares e gorduras prejudiciais à saúde.

O objetivo é eliminar do cardápio, por uns dois dias, todos os compostos que comprovadamente prejudicam o organismo.

Dicas para a desintoxicação:

- Consuma frutas, hortaliças e sucos de frutas sem açúcar ao longo do dia;
- Não consuma frituras;
- Tempere a salada com limão, ervas, vinagre e utilize pouco sal;
- Pela manhã, não deixe de consumir um copo de leite ou iogurte desnatado;
- Coma uma porção (100g) de carne magra no almoço e outra no jantar (peixe ou frango sem pele); prepare-os cozidos ou grelhados;
- Consuma três porções de cereais integrais (granola, barrinha de cereal, aveia, etc);
- Tome muito líquido durante o dia (pelo menos 2 litros). Vale água, água de coco e chás sem açúcar;
- Uma dica preciosa é consumir chá verde, que por ser diurético ajuda na eliminação de toxinas pelo corpo mais rapidamente;
- Alimente-se de 3 em 3 horas.

Fonte: VyEstelar


Postado em 12 de Março às 10h53

Chá verde é usado em comidas e bebidas típicas da culinária japonesa

A plantação de chá verde - bebida mais consumida pelos japoneses - parece um mar verde, com ondas simétricas e perfeitas, que se estendem até onde a vista alcança. Trazido da China há 1300 anos por monges budistas, o chá verde se tornou uma bebida tão ligada à cultura do Japão, que participar da colheita significa uma volta às origens. Para viver essa experiência, eles vestem roupas tradicionais dos colhedores de chá.

Hoje a colheita é feita com máquinas, por isso os arbustos ficam tão uniformes. Mas as pessoas que visitam a maior plantação de chá do país querem reviver um Japão antigo, que não existe mais, buscando as folhas perfeitas uma a uma. Segundo o instrutor do local, só as folhas do topo dos arbustos são colhidas, as que têm um verde mais claro e brilhante. s melhores são as colhidas no começo da temporada, que estão mais macias e saborosas.

Depois de colhidas, as folhas são levadas para a fábrica, onde são cozidas no vapor e depois secadas. Esse processo precisa ser muito rápido para evitar a oxidação, que faria com que as folhas ficassem escuras como o chá comum.

As folhas não servem apenas para fazer chá. Em Makinohara, há um almoço feito de chá verde, usado como tempero ou ingrediente principal. É um verdadeiro banquete. Para começar, um tempurá de chá verde, temperado com sal misturado com chá verde. E mais: salada de chá verde; soba, massa típica japonesa feita de trigo sarraceno, que pela cor, não deixa dúvidas que leva chá na preparação; outro tempurá mistura camarão e chá verde; sashimi de atum coberto de chá verde em pó.

Os japoneses bebem chá verde sem açúcar e adoçante. Para quem não está acostumado, pode parecer estranho, mas os gaúchos não vão estranhar - ele parece um pouco o gosto de chimarrão. Várias pesquisas científicas mostram que o chá verde traz benefícios para a saúde. Combate, por exemplo, os radicais livres, que aceleram o envelhecimento. Segundo os japoneses, é uma espécie de fonte da juventude, deliciosa no prato e bela na paisagem.

Fonte: Jornal Hoje